domingo, 24 de outubro de 2010

Eleições 2010

Um segundo turno infeliz com dois candidatos que não aprecio. Sinto-me como um herege levado à presença da Inquisição e que, no fim das contas, tem que escolher que diabos de suplício quer passar pelos próximos quatro anos.
Escolho, então, o menos mau: não quero o PSDB no comando desta joça nem de sacanagem!
Estou ouvindo um montede gente falando dos problemas do PT, do Zé Dirceu, dos sacanas do PMDB... mas só quem tem a memória muito, muito curta não lembra a merda em que chafurdávamos sob o jugo sorridente de FHC.
Pra porra com essa tertúlia!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Queridos psicopatas

Recentemente, a conversa com uma amiga chamou minha atenção para uma estranha predileção minha: eu gosto de psicopatas. Não os reais, etendam bem, e muito menos a bicha incubada do Norman Bates, que coloca as roupas da mãe e fica parecendo uma versão anorexica da Vovó Mafalda, mas os bons, maus e intelectualmente elegantes - Hanibal Lecter, Dexter Morgan, o personagm psicótico e encantador de Kevin Costner em Instinto Secreto, o terrível Christian Bale em Psicopata Americano... Em noites de baixo astral, até o imundo do Michael Myers parece um cruzado infernal e prende minha atenção por mais ou menos duas horas. Isso não há de ser uma predileção saudável, eu sei, mas fazer o quê?
Venho reparando no tipo de gente que é morta por estes maravilhosos verdugos, e chego à conclusão de que se trata do pior tipo de figurante: são personagens planos, unilaterais, vulgares. Grosseiros, como diria o Dr. Lecter. Obviamente, na vida real ninguém deve morrer por ser patético e desinteressante, mas a melhor parte da ficção é que ela não precisa ter laços consanguíneos com a moral (já nos dizia Oscar Wilde).
Seria isso uma espécie doentia de catarse? Porque, se for, até que combina comigo...

domingo, 26 de setembro de 2010

Estou doente de filosofar

Chafurdando em minha caixa de rascunhos, descobri a pérola abaixo, que demonstra cabalmente que já ando azucrinado e doente há pelo menos um bom par de anos:
De tanto refletir, acho que fundi minhas sinapses. Meus silogismos já não são pensamentos, são curtos-circuitos.
Deve ser minha versão doentia e abstrata do TOC: já não olho merda nenhuma como o que é; tudo que olho, olho mirando além. Mas que diabos, viver esquadrinhando simbolismos!
Há que se ter prazer em sujar as mãos... pro inferno com todos os ismos!
Beber, comer e dormir: eis aqui toda a filosofia!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Minha dieta

Peço desculpas aos dois seguidores de meu blog, além das centenas de pessoas que digitam "porra" no google atrás de websites pornográficos e aqui vêm parar, pelo longo silêncio. O problema, vocês bem sabem, é que tenho mais que fazer.
De qualquer forma, uma azia alucinada me motivou a escrever este post, talvez como uma espécie de mea culpa em relação a meu trato digestório. Ele decerto não é culpado por partilhar espaço, neste mundão de meu deus, com um cérebro danificado como o meu, que mete todo o resto deste aglomerado de órgãos e tecidos numa rotina furada que só pode ter por destino a campa. Mas, sem mais delongas, aí vai a dieta dos campeões:
  1. 05h30: um copo de água à temperatura ambiente;
  2. das 10h00 às 12h20: cerca de 600 ml de café, acompanhados ou não de biscoito maizena de sabe lá deus quando;
  3. 12h55: dois salgados comprados na birosca da escola, acompanhados de um guaraná "natural" (note que tais aspas não estão aqui a troco de nada), consumidos no breve caminho que me leva do pátio à sala de aula;
  4. 18h48: quatro choquitos comprados no sinal da Marechal Fontenelle, em Campinho, todos consumidos no espaço de mais ou menos cinco minutos;
  5. 19h10: os farelos de biscoito que o pequeno Sr. T. deixou em sua lancheira;
  6. 23h00: um hambúrguer de microondas, acompanhado de batatas fritas e refrigerante sem gás, em companhia da Dona Patroa;
  7. 23h50: a Dona Patroa.
Depois de analisar demoradamente minha dieta, cheguei à conclusão de que a coisa mais saudável que venho comendo é a Srª. minha mulher.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Novas pedradas do pequeno Sr. T.

"Pai, eu quero um lanche feliz."
"Você só quer a porcaria do brinquedo."
"Eu quero um lanche feliz com o carro que tem o boneco."
"Você não vai comer a porcaria do lanche; só quer mais um boneco pra coleção."
"Tô com fome, pai."
"Não tá, não."
"Tô sim!"
"Então vamos a um restaurante e te faço um prato decente."
"Não! Eu quero lanche feliz!"
"Olha a fila desta lanchonete! Nem tem o brinde que você quer!"
"Eu quero ver."
Vamos até o início da fila.
"Olha, não tem carro, só tem o Bakugan."
Voltamos ao final da fila.
"Você não me deixou falar com a moça, tem o carro sim!"
Vamos até o início da fila.
"Senhorita, por favor, quais são os brindes?"
"Estes bonecos do Bakugan."
Voltamos ao final da fila.
"Viu?"
"Você não me deixou falar com ela."
"Porr... filhote, não tem esta merd... este carro! Só o Bakugan!"
"Deixa eu perguntar pra ela."
Vamos até o início da fila.
"Moça, tem o brinde do carrinho com o boneco?"
"Não, este acabou semana passada."
Voltamos ao final da fila.
"E aí, filho, vamos ao restaurante?"
"Não, eu quero o lanche feliz com o brinde do Bakugan."
"..."
"Pai?"
"Só fique uns minutos à distância de mim de um braço..."

Corrida Maluca

Semana passada, enquanto pegava o pequeno Sr. T. na casa da avó, presenciei um roubo de carro. Usei toda a minha habilidade automobilística fugindo de ré, com o rabo entre as pernas, até sentir que pelo menos quatro cães da vizinhança estavam agarrados ao para-choque traseiro.
No dia seguinte, depois de pegar uns cinco desvios de trânsito graças à operação "asfalto liso", quase me envolvi num acidente sério de trânsito. Isso tudo porque queria chegar na hora na droga do meu trabalho.
Temos horários apertados e vivemos numa corrida neurótica dentro de nossos carros, em ônibus quentes ou vagões lotados. Somos uma sociedade louca. Os personagenzinhos da Corrida Maluca são uma metáfora perfeita pro nosso estilo de vida.
Pra porra com isso!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Autossabotagem

Não sei, mais e mais imagino que tenho uma segunda personalidade. Não se trata de algo do tipo Norman Bates... não: se eu prejudicasse os outros, vá lá, mas sou uma espécie de self-serial killer. A última de Adrobaldo (é como chamo minha personalidade subconsciente) foi esconder minha carteira. Entrei em verdadeira histeria imaginando meus documentos por aí, em mão alheia. É claro que não havia um só tostão na dita cuja, mas lá estavam todos os meus papéis e cartões. Depois de revirar toda a maldita casa atrás da carteira, me conformei com o pior e comecei a cancelar meus cartões, um a um. Depois que minhas contas se tornaram acessíveis para mim apenas por telefone, quem salta de trás de um porta-retratos? Pois é...
Cheguei a ouvir as risadas de Adrobaldo na minha cabeça, regozijando-se (que porra de palavra pernóstica... [pernóstica, caralho, que palavra pedante... {pedante!... puta que me pariu! - porra, estou divagando!}]).
Eu sei que a teoria da personalidade dupla é absurdmente ridícula... mas é isso ou admitir que eu sou um merda desorganizado, esquecido e às portas do Alzheimer...

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Inércia...

Um corpo parado tende a continuar parado.
Estou olhando para a TV, e está sendo exibido (de novo) Max Payne. Há meia hora estou sentindo vontade de ir ao banheiro e odeio este filme. Por que diabos eu não simplesmente tiro o notebook do colo, vou ao banheiro e depois coloco algo no DVD?!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Arreste-me para o inferno!

Não, eu não quero voltar ao Rei do Bacalhau. Este é o nome (guardem bem) da magna opus de Sam Raimi. Peço desculpas aos puristas que apontam seus dedos em riste para a trilogia Homem-Aranha, também impecável, mas, sejamos francos, o ramo de Raimi é a tosqueira.
Desde Fome animal eu não via um trash tão bom... é a Gioconda dos gore movies! Eu já era fã de Evil dead, que me rendeu momentos de um estranho misto de pânico com hilariedade, mas essa sua obra recente é de uma classe (?!) que deixa todos os outros no chinelo.
O filme não é novidade, mas muita gente ainda não viu por não levar o título a sério. Não levem mesmo, mas vejam o filme!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Rei do Bacalhau?!

Ao que tudo indica, o nome de um restaurante, certo? Depende.
Do dia da semana, da hora e, é claro, do seu mapa astral.
O meu estava no inferno.
"Renato, sexta é aniversário da Adriana. Vai ser no Rei do Bacalhau, em Caxias."
"A-hã."
"A gente vai."
"A... ãh?"
"Vê onde fica."
Sempre que D. Patroa me vem com estes programas, meu cramulhão da guarda já começa a palpitar... "Isso é furada, ela nem sabe o endereço... cê vai se arrepender..." Invariavelmente, ele está certo.
Depois de perguntar ao Google como chegar ao regente deste nobre peixe norueguês, dei voltas e voltas no meu velho Corsa até encontrar o lugar. O engraçado é que, onde devia haver um restaurante, estava rolando uma rave. Das pesadas.
"Este aqui é o Rei do Bacalhau?!"
"Pô, mô, deve haver uma seção em que as pessoas comem..."
"...umas às outras!"
"Não seja malcriado" (como odeio quando ela fala desse jeito!).
Parei o carro. Um sujeito com meia dúzia de dentes (contando com alguns pendurados em seu cordão) me interpelou e disse que o estacionamento custava R$ 10,00. Dez pilas pra largar o Chugabum ao relento!
"Sabe, já que vai ficar aqui tomando conta do meu carro a noite toda, te deixo cinco agora e te dou cinco quando sair". Eu sou abusado, mas não idiota: se não pagasse nada, certamente encontraria simpáticos recados gravados à faca na porta do meu carro.
Descobri que também precisava pagar para entrar no restaurante. E, uma vez lá dentro, descobri que aquilo era restaurante porra nenhuma. Ao menos àquela hora.
D. Patroa berrava qualquer coisa que eu não conseguia ouvir. Eu só sorria e balançava a cabeça. Até onde entendo, poderiam me mandar pro inferno que ainda assim eu sorriria e balançaria a cabeça.
Eu sei que sou velho e chato, mas nada me parece mais caricato que uma porrada de sujeitos entre trinta e quarenta anos, vestidos como uma versão repaginada de Travolta em Os embalos de sábado à noite, se requebrando ao som de Lady Gaga. Acho que nem num velório circense eu me sentiria tão deslocado.
"Mô, eu quero ir pra casa..."
"Eu nem queria ter vindo!"
"Você é muito mau!"
"Você me arrasta pra cá e eu sou mau?!"
"Amanhã te compenso..."
E compensou: me vestindo de Drácula (com direito a maquiagem!) para ir a uma festa a fantasias em São João de Meriti!
Casamento, assim como o Bope, é só pra quem tem disposição...

sábado, 19 de junho de 2010

Apelando...

(smack) (smack)
- ... hmmm... mô...?
- Hu-hum... (quem mais ela estava esperando?!)
- Mô, são quatro da manhã... tô cansada...
- Cansada de quê? Você estava dormindo!
- Por isso, preciso descansar...
- Hmpf!
- ... vai ficar de costas pra mim, agora?
- Você vai dormir, eu poderia ficar até de cabeça pra baixo.
- Deixa de ser malcriado, vem cá, tá frio.
- ...
- Mô?
- São as estrias? A celulite?
- Não seja ridículo...
- Eu sei que meu corpo não é mais o mesmo depois de um filho...
- Deus! Nem foi você quem pariu!
- Eu sou um pai participativo.
- Não é nada disso, só quero dormir.
- Certo.
- Onde você vai?
- Perdi o sono, vou ver TV.
- Vê aqui mesmo, não sai da cama não.
- Ok.
Hmm... Ah... oh, ye... (snap!) Aah!!
- Amor!
- Tá bom, tá bom! (mas que merda!)
Não dá pra ganhar todas...

sexta-feira, 18 de junho de 2010

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Dia dos namorados macabro

Não, não é um filme adolescente de terror. Foi meu sábado.
É, é meio tarde pra falar dele, mas ao contrário de vocês, meus assíduos leitores, eu tenho mais que fazer (é, tia Cotinha, estou falando de você, mesmo!).
Pois bem, chegando eu e D. Patroa por volta de oito da noite, nos sentimos obrigados a comemorar o famigerado dia. Pra mim, bastava uma trep... um filminho, em casa mesmo, mas (é claro), mulheres não são tão superficiais na comemoração de um dia exclusivamente comercial... não: é mais romântico correr para algum centro de consumo entupido de gente estranha.
Ok (maldita testosterona!).
"Cara, quero comer um torresmo na Mineira..."
"Você sabe que provavelmente este restaurante está lotado, não sabe?"
"Renato, as pessoas vão a motéis..."
"Quando não dá para se comerem umas as outras, as pessoas comem torresmo."
"Vai estar vazio, vai por mim."
Ahã...
Não estava. Estava cheio pra caralho. Tentamos a Galeria Gourmet. Estava cheia pra caralho. Tentamos um sorvete no quiosque do McDonald's... é, também. E pra caralho!
"Puxa, vamos ver uma peça! Está no Miguel Falabela o Comédia a la carte..."
"Vamos lá."
Foi uma ideia de merda (e foi minha). Aquela bosta de teatro é tão organizado quanto a fila de um banheiro unissex no inferno. Depois de minutos rodando de uma fila pra outra cheguei à bilheteria e descobri que os caras só aceitam grana viva... Porra, hoje até o baleiro do trem tem uma maquininha Redecard!
No fim das contas, entrei (puto) em outra fila: Vivenda dos Camarões (um nome absurdamente cretino se considerarmos que os animais são mortos para virar comida!). Comprei uma buchada doida qualquer pra viagem e voltei pra casa, cansado, com fome e com o rabo entre as pernas.
E não fiz o que queria: um programinha simples, uma modesta trep... sessão de cinema em casa!

sábado, 15 de maio de 2010

Teologia II

- Senta, meu filho.
- Dona Marina, a senhora disse que traz uma pessoa em três dias...
- Eu, não, meu filho: a Cigana das Sete Saias de Cetim.
- Certo, certo... em três dias mesmo?
- É, meu filho; a Cigana é forte e vai em qualquer lugar.
- E quanto é?
- Nada, meu filho, o trabalho é feito na mais pura caridade. Eu só preciso de R$ 30,00 pros ingredientes da mandinga.
- Hmm... justo.
- E qual é o nome da moça?
- Não, não é moça não. Meu pai está precisando vir ao Rio, e é mais barato pagar para Cigana trazê-lo em três dias por R$ 30,00 que comprar uma passagem de R$ 100,00 para que ele chegue em doze horas.
- ...
- Dona Marina...?
- Se raspe daqui já, seu vagabundo!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Chugabum vive!

É meninos, o problema do meu carro estava entre o banco e o volante: esta besta que vos escreve vacilou na manutenção preventiva, e por isso meu carro tinha velas mais queimadas que os alicerces do inferno.
Por causa disso, escreverei mil vezes: "nunca mais esquecerei de observar o desgaste das peças" (recortando e colando, é claro!).

domingo, 2 de maio de 2010

Não importa o que disse antes...

...não há lado positivo em ficar sem carro!

Homem de Ferro 2

Enquanto via o Tony Stark apanhando impiedosamente do supervilão do filme, apenas um pensamento passava por minha cabeça: graças a Deus a armadura do Homem de Ferro não usa tecnologia GM. Por muito menos meu carro parou...

sábado, 1 de maio de 2010

Acessos...

Sabem por que não coloco um contador neste blog? Não, não é porque não sei como fazer isso (bom, na verdade é isso também), mas porque sei quantas pessoas acessam essa budega: minha mulher e eu. E eu só acesso porque preciso atualizar...
É, eu realmente tenho pena da minha mulher.

Filosofia

Dizia Freud que as necessidades da libido são praticamente inconciliáveis com as aspirações da civilização.
Eu digo que a pornografia é o que torna a civilização viável.

...mas tudo tem seu lado bom!

Porra, como não vou precisar dirigir, posso beber o quanto quiser!
(Acho que minha família não ficaria orgulhosa de ler isso...)

Coisas que perdemos pelo caminho...

Até poucos dias, eu estava sem internet, mas meu carro funcionava. Agora que tenho conexão em alta velocidade 24 horas por dia, meu carro parou. Sem aviso prévio. Eu sei que não dá pra se ter tudo na vida, e que as pessoas na África têm fome, e que há terremotos por aí, e...
Ah, mas que merda... eu sou um egoísta e não ligo pra nada disso... eu só queria que meu carro voltasse a andar...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

3D...

Como diria meu pai - mineiro, atleticano, filósofo e alcoólatra -, "que viadagem!" Ficar duas horas e pouco de exibição com uma merda de óculos nos cornos para ter a (tênue) impressão de que a película está no mundo "real"... e pelo dobro do preço!
Pro cacete: nunca mais vejo nada em 3D (salvo o mundo real, que dispensa parafernálias. Quase sempre...).

Mais superstições mudernas...

O sétimo filho do filho mais novo de sete irmãos não receberá bolsa-família.

Teologia I

Um deus, qualquer que seja, que cria mundos e fundos para depois exigir adoração à sua pessoa só é diferente de um lunático com mania de grandeza por uma questão de proporção.